Roma, 4 de junho de 2019.

Mensagem do Representante da OML aos cidadãos e cidadãs italianos

Sua Majestade italiana,
Senhoras e senhores,

1. Neste momento em que o parlamento italiano vota a adesão do país à Organização das Micromonarquias Lusófonas mediante ratificação de sua Carta de Diretrizes, em nosso papel como Representante da Organização convém aproveitar a oportunidade para dizer algumas palavras. Peço inclusive a licença dos demais Membros, nossos colegas, para rapidamente digressionar acerca das relações bilaterais entre Itália e Alemanha.

2. Ao longo de quase duas décadas Itália e Alemanha tem sido parceiras e aliadas. Somos, se me permitem, irmãs gêmeas nascidas com um mês de diferença: a Alemanha em 17 de outubro, e, a Itália, em 17 de novembro de 2002. Compartilhamos anseios e percepções similares, embora nossos modos de projetá-los internacionalmente sejam distintos. Juntas, estabelecemos padrões para a atuação micronacional que são respeitados pelo universo de projetos que procuram conduzir um estadismo – o statecraft – positivo e construtivo, e que representam um legado que perdurará enquanto houver boa vontade entre as nações. Somos referências pela excelência de nossa projeção política e pelo conhecimento que adquirimos durante os 34 anos somados em que nossas monarquias tem existido e resistido ao tempo. Os elos que nos unem são inexoráveis.

3. Quando conversamos a respeito da refundação da OML, o rei Francesco e eu concordamos, como frequentemente o temos feito nesses últimos dezessete anos, que o subsistema lusófono de estados urge por uma instituição, um prumo que busque lhe restaurar a harmonia e a concórdia, e que faça com efeito controlar e moderar a instrumentalização da força na condução individual da política externa dos e pelos diversos Estados que populam nosso continente linguístico. O Reino da Itália, por conta de sua reconhecida sobriedade e da senioridade que possui entre estas nações, jamais poderia privar a Organização de sua presença, e, torcemos, verá aprovada sua associação à instituição, para continuar contribuindo de forma serena e assertiva com a construção de uma comunidade internacional pacífica e integrada.

4. A refundação da OML é um importante ponto de inflexão no multilateralismo lusófono contemporâneo, e representa a confluência da boa fé de seus Membros, e sua confiança na força da diplomacia e da cooperação para juntos superarmos paradigmas e construir um novo sistema internacional. Em nome da OML fazemos enfim votos de que logo a Itália possa se juntar oficialmente a Brigância, Escandinávia, Escorvânia, Espanha, Portugal e Alemanha no seio de nossa organização.

Saudações alemãs,

Guilherme da Alemanha
Representante da OML